quarta-feira, 27 de abril de 2011

A VOZ DO PROFESOR: INSTRUMENTODE TRABALHO

Dicas e orientações para manter a Saúde Vocal dos Professores 
Fonte: Revista Maringá Ensina





Relações entre trabalho, saúde e qualidade de vida  são
imprescindíveis para o bem-estar do profissional da educação



A voz é o meio de comunicação mais utilizado pelo ser humano, tendo esta  características próprias. Como a nossa fisionomia, varia de acordo com a idade, sexo, personalidade e estado emocional. É através da voz que expressamos nossas idéias, sentimentos e pensamentos.
A voz é produzida pelas pregas vocais, localizadas na região do pescoço, mais precisamente na laringe, e encontram-se afastadas durante a inspiração e a expiração, permitindo a passagem do ar livremente. A produção vocal ocorre a partir da aproximação e vibração das pregas vocais no momento da expiração, devido à força provocada pela passagem do ar vindo dos pulmões.
O som produzido na laringe é amplificado pelas cavidades de ressonância (faringe, boca e nariz) e articulado por meio dos lábios, língua, bochechas, mandíbula e palato.
Na docência um dos principais recursos utilizados é a voz, esta é responsável pelos primeiros elos de contato entre professor – aluno. Portanto, é essencial que o professor tenha uma boa qualidade vocal, e hábitos corretos de postura, pois seu padrão de conduta, além de influenciar na transmissão de seus conhecimentos, é observado e, muitas vezes, imitado pelos alunos.
Com o objetivo de transmitir seus ensina-mentos e manter a sala de aula atenta, muitos professores abusam da garganta, causando sérios danos a sua saúde vocal. Esses excessos e a má utilização da voz podem levar a uma disfonia causada pela manifestação de nódulos, pólipos, edemas, cistos, rouquidão, pigarros, etc.
A classe dos professores é uma das mais acometidas pelas disfonias, tendo como causas tanto a jornada de trabalho, que na maioria das vezes é excessiva, como também a falta de conhecimento de técnicas vocais apropriadas. (Frabon & Omote, 2000)
Grande parte dos estudiosos afirma que os ouvintes guardam na memória cerca de 10% do que ouvem. Porém, quando vêem ou participam com o corpo, a retenção das informações aumenta para 20% ou 30%. Isso nos mostra que o professor pode e deve utilizar outros recursos para ensinar.
É importante que os professores procurem orientações com profissionais da área, fonoaudiólogos ou médicos otorrinolaringologistas, para verificarem as condições de sua voz. A falta de conhecimentos e cuidados com a voz muitas vezes acaba impedindo o professor a continuar sua docência.
A prevenção é a melhor maneira para se evitar problemas vocais. No entanto, são raros os profissionais que procuram  atendimento fonoaudiológico antes de se instalar um problema. Geralmente, apenas no momento em que se torna evidente sintoma como fadiga ao falar, falhas na voz, ou até mesmo quando já se estabeleceu uma patologia que os impossibilite de utilizar a mesma, é que o professor reconhece a importância da própria voz e os cuidados a serem tomados com ela.


Os primeiros sinais de que algo não vai bem com o aparelho fonador pode se manifestar por meio de uma série de alterações: EVITE

  •                 Fumar ou ingerir bebidas alcoólicas;
                usar a voz para competir com o barulho interno e externo da classe;
    • roupas pesadas e que apertem a região do pescoço e abdome, pois dificultam os movimentos do diafragma;
    • pigarrear ou tossir, hábitos que irritam as pregas vocais;
    • chupar pastilhas, gengibre,  cravo ou borrifar sprays. O efeito anestésico alivia os sintomas, mas as pregas vocais continuam machucadas;
    • falar enquanto escreve na lousa. Isso faz com que o professor tenha que aumentar a intensidade de sua voz e que aspire pó de giz;
    • falar de lado ou de costas para os alunos. Quando fazemos isso a tendência é aumentarmos a intensidade vocal;
    • comer alimentos gordurosos ou muito temperados, que aumentam a produção e a espessura da secreção, dificultando a fala e a deglutição.
    • HABITUE-SE
    • Tomar água em temperatura ambiente durante as aulas, sempre em pequenos goles;
    • repousar a voz entre as aulas;
    • apagar a lousa com pano úmido, para evitar a inalação da poeira de giz;
    • comer maçã regularmente. Ela é adstringente, ou seja, limpa o trato vocal e a sua mastigação exercita a musculatura responsável pela articulação das palavras;
    • tomar diariamente sucos cítricos, como os de laranja e limão. Eles ajudam na absorção do excesso de catarro;
    • espreguiçar-se e bocejar várias vezes ao dia. Esses movimentos relaxam a musculatura do corpo e da garganta;
    • durante o banho, deixe a água quente cair nos ombros, fazendo leves movimentos de rotação com a cabeça e ombros. Isso ajuda a diminuir a tensão do dia-a-dia;
    • fazer exercícios regularmente e cuidar da saúde como um todo, pois qualquer problema no corpo pode influenciar na produção da voz.


  • O enfraquecimento ou perda da voz no fim do dia;
  • voz rouca na sexta-feira e com melhor qualidade
    após repouso no fim de semana;
  • quebras na voz durante a fala;
  • voz rouca por vários dias;diminuição do volume vocal;
  • voz mais grave;
  • dores e ardor na região da garganta;
  • excesso de secreção (catarro);
  • cansaço ao falar.
  • Algumas mudanças na rotina e pequenos cuidados cotidianos ajudam a prevenir distúrbios graves. De acordo com Pletsch (1997), Pinho (1997), Aydos (2000), a voz do professor é passível a inúmeras interferências, tais como: abusos vocais, condições climáticas, vícios, alimentação, distúrbios respiratórios, alterações hormonais e hidratação inadequada. Seguindo estas recomendações, os educadores estarão prevenindo-se de futuras alterações e males vocais. A atividade de educador exige um uso intensivo e contínuo da voz. Cabe aos mestres estar cientes das conseqüências que as alterações vocais podem causar na sua vida profissional, social e emocional. Os professores precisam aprender a tirar o máximo proveito de seu potencial vocal. Para receber mais orientações sobre os cuidados que deve ter com sua voz procure um fonoaudiólogo. 
    Cuidem- se, queridos professores!

terça-feira, 26 de abril de 2011

DIA DAS MÃES

O dia das mães vem aí...
O dia das mães é uma data  muito especial e todas as repartições comemoram com muito carinho essa data .
Aqui, postaremos algumas frases e crônicas para essa data comemorativa.


 SER MÃE 
Ser Mãe, não é somente acalentar no peito o filho estremecido de sua alma.
Ser Mãe, não é apenas contemplar ao leito a infante vida à adormecer tão calma.
Ser Mãe, não é só dar ao filho do alimento que vá satisfazer-lhe a fome inteira.
Ser Mãe, não é somente olhar, todo momento, a criança intretida em brincandeira.
Ser Mãe, é viver as constantes emoções de quem é responsável pela nau assaltada por grandes turbilhões.
Ser Mãe, é lutar pelo filho em oração, como lutou Jacó perante o vau.
Ser Mãe, é tornar-se heroina no perigo; é ser na tempestade forte abrigo.
Ser Mãe, é ver no filho sempre uma criança a precisar de amor e carinho.
Ser Mãe, é ter no filho sempre uma esperança de vê-lo palmilhar o bom caminho.
Ser Mãe, é servir de anteparo sobre o abismo; é sujeitar-se a todo traumatismo.
Ser Mãe, é no viver, brilhar de tal maneira, que deixe, a trás de si, brilhante esteira.
Ser Mãe, enfim, é no misto de dor e alegria viver a vida inteira num só dia.

(Autor Desconhecido)


DE MÃE

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido, aquele que ela mais amava. E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu:
"Nada é mais volúvel que um coração de mãe.E como mãe,lhe respondo:O filho dileto a quem me dedico de corpo e alma,
Éo meu filho doente, até que sare.
O que partiu até que volte.
O que está cansado até que descanse.
O que está com fome até que se alimente.
O que está com sede até que beba.
O que está estudando até que aprenda.
O que está nu até que se vista.
O que trabalha , até que se empregue.
O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.
O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve até que pague.
O que chora até que se cale.
E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou: O que já me deixou até que o  reencontre".

Autor desconhecido

FRASES PARA A MAMÃE

Mãe,
Deus me deu vida, você cuidou
Deus me deu inteligência, você cultivou
Deus me deu saúde, você respeitou
Deus me deu você, obrigado mãe
 Obrigado Senhor.
Já vi mãe, você é tudo pra mim
 TE AMO!

"O coração da mãe é a primeira escola da criança".


"Ser mãe é construir alguém que será no futuro bem ou mal, dependendo do exemplo recebido".

"Cada mulher ao nascer, traz consigo o poder único de ser mãe. Seja feliz, a dádiva foi dada à você".

MÃE,
como é difícil falar de você, pois você é muito...
é tanta coisa
é tudo de uma vez..".

Mãe,
" O primeiro grande significado da palavra amor".


ESSE POEMA É PARA AS AVÓS QUE  TAMBÉM SÃO MÃES.
" E verás os filhos de teus filhos, e a paz sobre Israel "    (Sl.128.6 )


A ARTE DE SER AVÓ

Netos são como heranças: você os ganha sem merecer. Sem ter feito
nada para isso, de repente lhe caem do céu. É, como dizem os ingleses,
um ato de Deus. Sem se passarem as penas do amor, sem os
compromissos do matrimônio, sem as dores da maternidade. E não se
trata de um filho apenas suposto, como o filho adotado: o neto é
realmente o sangue do seu sangue, filho de filho, mais filho que o filho
mesmo...
Quarenta anos, quarenta e cinco... Você sente, obscuramente, nos seus
ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava. Não lhe
incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem as suas alegrias, as suas
compensações - todos dizem isso embora você, pessoalmente, ainda
não as tenha descoberto - mas acredita.
Todavia, também obscuramente, também sentida nos seus ossos, às
vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade. Não de amores nem de
paixões: a doçura da meia-idade não lhe exige essas efervescências. A
saudade é de alguma coisa que você tinha e lhe fugiu sutilmente junto
com a mocidade. Bracinhos de criança no seu pescoço. Choro de
criança. O tumulto da presença infantil ao seu redor. Meu Deus, para
onde foram as suas crianças? Naqueles adultos cheios de problemas que
hoje são os filhos, que têm sogro e sogra, cônjuge, emprego,
apartamento a prestações, você não encontra de modo nenhum as suas
crianças perdidas. São homens e mulheres - não são mais aqueles que
você recorda.
E então, um belo dia, sem que lhe fosse imposta nenhuma das agonias
da gestação ou do parto, o doutor lhe põe nos braços um menino.
Completamente grátis - nisso é que está a maravilha. Sem dores, sem
choro, aquela criancinha da sua raça, da qual você morria de saudades,
símbolo ou penhor da mocidade perdida. Pois aquela criancinha, longe
de ser um estranho, é um menino seu que lhe é "devolvido". E o
espantoso é que todos lhe reconhecem o seu direito de o amar com
extravagância; ao contrário, causaria escândalo e decepção se você não
o acolhesse imediatamente com todo aquele amor recalcado que há
anos se acumulava, desdenhado, no seu coração.
Sim, tenho certeza de que a vida nos dá os netos para nos compensar
de todas as mutilações trazidas pela velhice. São amores novos,
profundos e felizes que vêm ocupar aquele lugar vazio, nostálgico,
deixado pelos arroubos juvenis. Aliás, desconfio muito de que netos são
melhores que namorados, pois que as violências da mocidade produzem
mais lágrimas do que enlevos. Se o Doutor Fausto fosse avó, trocaria
calmamente dez Margaridas por um neto...
No entanto - no entanto! - nem tudo são flores no caminho da avó. Há,
acima de tudo, o entrave maior, a grande rival: a mãe. Não importa que
ela, em si, seja sua filha. Não deixa por isso de ser a mãe do garoto. Não
importa que ela, hipocritamente, ensine o menino a lhe dar beijos e a
lhe chamar de "vovozinha", e lhe conte que de noite, às vezes, ele de
repente acorda e pergunta por você. São lisonjas, nada mais. No fundo
ela é rival mesmo. Rigorosamente, nas suas posições respectivas, a mãe
e a avó representam, em relação ao neto, papéis muito semelhantes ao
da esposa e da amante dos triângulos conjugais. A mãe tem todas as
vantagens da domesticidade e da presença constante. Dorme com ele,
dá-lhe de comer, dá-lhe banho, veste-o. Embala-o de noite. Contra si
tem a fadiga da rotina, a obrigação de educar e o ônus de castigar.
Já a avó, não tem direitos legais, mas oferece a sedução do romance e
d
o imprevisto. Mora em outra casa. Traz presentes. Faz coisas não
p
rogramadas. Leva a passear, "não ralha nunca". Deixa lambuzar de
p
irulitos. Não tem a menor pretensão pedagógica. É a confidente das
h
oras de ressentimento, o último recurso nos momentos de opressão, a
s
ecreta aliada nas crises de rebeldia. Uma noite passada em sua casa é
u
ma deliciosa fuga à rotina, tem todos os encantos de uma aventura. Lá
n
ão há linha divisória entre o proibido e o permitido, antes uma
marav
ilhosa subversão da disciplina. Dormir sem lavar as mãos, recusar
a s
opa e comer roquetes, tomar café - café! -, mexer no armário da
lou
ça, fazer trem com as cadeiras da sala, destruir revistas, derramar a
ág
ua do gato, acender e apagar a luz elétrica mil vezes se quiser - e até
fin
gir que está discando o telefone. Riscar a parede com o lápis dizendo
q
ue foi sem querer - e ser acreditado! Fazer má-criação aos gritos e, em
v
ez de apanhar, ir para os bros da avó, e de lá escutar os debates
s
obre os perigos e os erros da educação moderna...
Sabe-se que, no reino dos céus, o cristão defunto desfruta os mais
requintados prazeres da alma. Porém, esses prazeres não estarão muito
acima da alegria de sair de mãos dadas com o seu neto, numa manhã
de sol. E olhe que aqui embaixo você ainda tem o direito de sentir
orgulho, que aos bem-aventurados será defeso. Meu Deus, o olhar das
outras avós, com os seus filhotes magricelas ou obesos, a morrerem de
inveja do seu maravilhoso neto!
E quando você vai embalar o menino e ele, tonto de sono, abre um olho, lhe reconhece, sorri e diz: "Vó!", seu coração estala de felicidade, como pão ao forno.
E o misterioso entendimento que há entre avó e neto, na hora em que a
mãe o castiga, e ele olha para você, sabendo que se você não ousa
intervir abertamente, pelo menos lhe dá sua incondicional
cumplicidade...
Até as coisas negativas se viram em alegrias quando se intrometem
entre avó e neto: o bibelô de estimação que se quebrou porque o
menininho - involuntariamente! - bateu com a bola nele. Está quebrado
e remendado, mas enriquecido com preciosas recordações: os cacos na
mãozinha, os olhos arregalados, o beiço pronto para o choro; e depois o
sorriso malandro e aliviado porque "ninguém" se zangou, o culpado foi a
bola mesma, não foi, Vó? Era um simples boneco que custou caro. Hoje é
relíquia: não tem dinheiro que pague...

Rachel de Queiroz







Lembrancinhas para a mamãe



























segunda-feira, 25 de abril de 2011

Jornada Pedagógica 2011









                                                  
RELATÓRIO DA JORNADA PEDAGÓGICA

IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA: Escola Estadual José Calazans Freire
                                    Av; Getulio Vargas, 16 - Centro
DE ALUNOS: 700 alunos
HORARIO DE FUNCIONAMENTO:
Matutino: 7h as 11h30m
Vespertino: 13h as 17h30m
Noturno: 19h as 22h

EQUIPE GESTORA: (biênio 2010/2011)
 Antonio Nicacio da Silva ( diretor) 
 Leonilde Sobral Dantas Fernandes (Vice-diretora)
 Maria de Fátima Martins dos Santos (coordenador pedagógico)

EQUIPE DE APOIO PEDAGOGICO:
 Antonio Carlos da Costa Junior
Elza Maria Pinheiro Figueiredo
Luciene Maria dos Santos  Mendonça
Maria de Fátima Freire Pereira de Carvalho

Apresentação
O processo educacional sempre foi alvo de constantes discussões e apontamentos   que motivaram sua evolução em vários aspectos. Tomando um lugar nestas discussões surge “um novo olhar para a prática pedagógica a partir dos resultados das avaliações nacionais, como eixo norteador do trabalho educativo.
Esse novo olhar possibilita uma nova prática envolvendo agentes que conduzem o ensino de forma a trazer transformação e mudanças.    
Para discutir, planejar e encaminhar coletivamente as ações pedagógicas e administrativas que organiza e define o trabalho escolar, a escola estadual Jose Calazans Freire realizou a segunda etapa da jornada pedagógica, com o objetivo de instrumentalizar a equipe e repensar as ações para o ano letivo de 2011.
O tema em foco para jornada foi: “um novo olhar para pratica pedagógica a partir das avaliações nacionais para a educação básica”.

Registro de Memória da Jornada Pedagógica

No período de 09 a 11 de fevereiro de 2011 realizamos a jornada pedagógica
Com o objetivo de analisar os referenciais que norteiam a educação do RN e os resultados das avaliações nacionais para então replanejar a nossa proposta, definir ações  e elabora o  planejamento de ensino, valorizando o desenvolvimento de competência e habilidades  dos alunos.
No dia 09/02 (quarta-feira), o encontro iniciou-se com o acolhimento dos professores, entrega da  pauta da jornada, num momento de reflexão, e promoção de bem estar. Contamos com a presença dos professores , equipe gestora e pedagógica, e o pessoal técnico da secretaria da escola. Apresentamos a continuação da jornada como proposta de trabalho da SECC e a sintonia do trabalho da escola com esta proposição  pedagógica.
Os dados de desempenho da escola e as implicações dos resultados das avaliações nacionais (PROVA BRASIL, ENEM, SAEB) foram apresentados em slides e os indicadores de desempenho locais dos alunos. Esses dados foram analisados como formas didáticas de promoção do ensino aprendizagem.
O segundo momento do encontro foi direcionado para um estudo de fundamentação teórica em competências e habilidades, essenciais a formação dos alunos. A utilização dos textos foi a metodologia utilizada para embasar esses conhecimentos.
No dia 10/02 (quinta-feira), retomamos nossa pauta, para reformulação do programa curricular de cada área de ensino, incorporando as exigências dos referenciais nacionais e orientação estadual.
Todos os níveis e etapas de ensino  ofertados pela escola, foram contemplados no encontro, e trabalhados da seguinte maneira:
O ensino fundamental anos finais (6º ao 9º ano) sob a orientação da equipe pedagógica, teve como subsidio a resolução nº 07/2010 que aponta Diretrizes Curriculares Nacionais para o ensino Fundamental em 9 anos e  os descritores da PROVA BRASIL , em que aparecem os conteúdos determinantes língua portuguesa e matemática , para o desenvolvimento das competências e habilidades dos alunos, e fizemos um elo com demais disciplinas, responsabilizando-as também nesse processo de formação.
O ensino médio foi organizado e encaminhado com fundamentação  na matriz  curricular e competências e habilidades para o ENEM e propostas de conteúdos das áreas especificas.
A Educação de Jovens e Adultos organizou os estudos tendo como  textos de  apoio as Diretrizes Orientadoras para a Educação Básicas na Modalidade de Jovens e Adultos e a resolução do CEE nº 01/2010, que estabelece Diretrizes Operacionais  para a oferta da EJA.
No dia 11/02 (sexta-feira), apresentamos a grade curricular 2011, e fizemos a distribuição de carga horária por turno e professores; em seguida foram encaminhadas algumas ações para o ano letivo 2011. Para encerrar avaliamos junto com os professores  toda a jornada, na medida em que professores e equipe colocou suas impressões, descobertas e expectativas.
Consideramos muito proveitosa a jornada pedagógica 2011. Para alguns professores foi novo conhecer os documentos oficiais que norteiam o trabalho educativo; para outros foi um resgate, um despertar do conhecido que estava adormecido; também foi sinalizada pelos professores a responsabilização pelos saberes com trabalho coletivo e não a procura de culpado para o processo de rendimento dos alunos. Percebemos também novos posicionamentos e posturas a respeito da formação dos alunos ao despeito de criticas aos problemas corriqueiros.
Nossas expectativas como também a dos professores foram superadas, tanto pela freqüência, como pela participação discussões, credibilidade na equipe pedagógica e o comprometimento em reformular suas propostas curriculares.
Como produto do nosso trabalho, apresentamos a 12ª DIRED a reformulação da proposta por área de ensino, o plano de curso de cada professor com base no material estudado, e o planejamento de algumas ações didáticas para o ano letivo de 2011, priorizando que este ano é ano de avaliação nacional para a escola.
A Jornada continua! Este foi apenas o ponto de partida. Cabe a escola e a cada um de nos garantir e qualificar os espaços de discussões das questões referentes a prática pedagógica.

   

 

  










Boas ideias

 D J K R Ç

B F Y
TROCA DE LETRAS
você sabe o que é um anagrama?
É, digamos, um jogo em que, mudando a ordem das letras da palavra original, formamos uma palavra novinha em folha. por exemplo: A palavra ROMA pode virar AMOR, certo?
Agora vamos ao teste...Descubra que partes do corpo Humano são anagramas das seguintes palavras:
1.CASTELO
2.ABRIGAR
3.CABIA
4.PENAR
5.CEBOLA
6.ROMBO
7.PLUMÃO
8.CABO

FONTE: REVISTA CIÊNCIA HOJE

segunda-feira, 18 de abril de 2011

19 de Abril- Dia do Indio

                                                          Dia do Índio - História
Comemoramos todos os anos, no dia 19 de Abril, o Dia do Índio. Esta data comemorativa foi criada em 1943 pelo presidente Getúlio Vargas, através do decreto lei número 5.540. Mas porque foi escolhido o 19 de abril?
Origem da data 
Para entendermos a data, devemos voltar para 1940. Neste ano, foi realizado no México, o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Além de contar com a participação de diversas autoridades governamentais dos países da América, vários líderes indígenas deste contimente foram convidados para participarem das reuniões e decisões. Porém, os índios não compareceram nos primeiros dias do evento, pois estavam preocupados e temerosos. Este comportamento era compreensível, pois os índios há séculos estavam sendo perseguidos, agredidos e dizimados pelos “homens brancos”.
No entanto, após algumas reuniões e reflexões, diversos líderes indígenas resolveram participar, após entenderem a importância daquele momento histórico. Esta participação ocorreu no dia 19 de abril, que depois foi escolhido, no continente americano, como o Dia do Índio.
Comemorações e importância da data 
Neste dia do ano ocorrem vários eventos dedicados à valorização da cultura indígena. Nas escolas, os alunos costumam fazer pesquisas sobre a cultura indígena, os museus fazem exposições e os minicípios organizam festas comemorativas. Deve ser também um dia de reflexão sobre a importância da preservação dos povos indígenas, da manutenção de suas terras e respeito às suas manifestações culturais. 
Devemos lembrar também, que os índios já habitavam nosso país quando os portugueses aqui chegaram em 1500. Desde esta data, o que vimos foi o desrespeito e a diminuição das populações indígenas. Este processo ainda ocorre, pois com a mineração e a exploração dos recursos naturais, muitos povos indígenas estão perdendo suas terras .



18 de abril- Dia do livro


18 DE ABRIL – DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL-

O Dia Nacional do Livro Infantil foi escolhido pelo ex- presidente Fernando Henrique Cardoso, em 2002, em homenagem ao escritor brasileiro José Bento Monteiro Lobato.
Monteiro Lobato nasceu em 18 de abril de 1882 e foi o criador da literatura infantil no Brasil. Autor de inesquecíveis histórias infantis, entre elas O Sítio do Pica-pau Amarelo, cujos personagens Dona Benta, Visconde de Sabugosa, Pedrinho, Narizinho e Emília, marcaram a história da literatura infantil.

,
POEMA
SUAS LETRAS APRENDI
NO PRIMEIRO ANO ESCOLAR
MINHA MESTRA EU COMPREENDI
QUANDO VEIO ME ENSINAR

FOI DIFÍCIL NO COMEÇO
MAS TUDO VALE QUERER
EU BEM SEI, BEM RECONHEÇO
ERA PRECISO APRENDER

TENHO O MEU LIVRO PRIMEIRO
ONDE AGORA JÁ SEI LER
QUERO SER BOM BRASILEIRO
GENTE GRANDE QUERO SER

POR ISSO MESTRA QUERIDA
E QUE SABE ME ENSINAR
SEREI ALGUÉM NESTA VIDA
PARA SEU NOME EXALTAR.
(Autor desconhecido)

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Ensino Religioso

Ouvindo alguns professores e sentindo a dificuldade de ter o que trabalhar em Ensino Religioso,resolvemos colocar algumas sugestões de atividades para trabalhar a disciplina.Além de podermos trabalhar as "Grandes Religiões Mundiais" ,podemos trabalhar com nossos alunos os "valores morais e éticos" e ainda os "Temas Transversais" que tanto reza os velhos PCNs.
Aos poucos iremos postando algumas atividades para a área.

FÁBULA:  O PATINHO FEIO

No meio da folhagem do bosque,uma pata no seu ninho, agurdava os patinhos que iam nascer.Afinal, os ovos começaram a estalar.Os patinhos puseram as cabecinhas para fora e saltaram da casca. Eram lindos.Só depois é que a nova mamãe reparou:
      __ O ovo maior está intacto.Quanto tempo levará?
Dias depois, o ovo começou a estalar.De dentro dele saiu um patinho muito grande e feio. Todos no bosque passaram a observar a diferença entre o patinho feio e seus irmãos.Faziam comentários maldosos.Até seus irmãos o aborreciam com comparações.
Cansado de tantas humilhações, ele resolveu partir, mesmo sem saber que rumo tomaria. Nadou,caminhou ao relento, passou fome, sede e frio.Sofreu por ser tão rejeitado. Vagou, vagou e vagou. Ninguém é igual a mim, lamentava.
Encontrou muita gente diferente pelo caminho. Homens de todas as cores. Mulheres altas, baixinhas e até anãs. Gente que andava de costas, que se arrastava pelo chão, ou que ia de um lado para o outro pulando. No entanto, eram todos felizes.
O tempo passou, o inverno chegou e o patinho teve de nadar ainda mais para se aquecer. A primavera, contudo, trazia o sol. Bem mais crescido, ele foi para o lago, sacudindo as asas com mais força do que antes. De repente, viu três cisnes que avançavam em sua direção. A vontade de voar até eles foi mais forte que seu temor de ser rejeitado.Quando o viram, os cisnes se aproximaram gentilmente,ruflando as asas. O pobre patinho baixou a cabeça, olhando para a água. Foi então que viu sua imagem refletida no lago.Crescido, ficara igual aos cisnes.Ficou surpreso porque descobriu que era diferente, mas que havia outros no mundo como ele.
De volta ao bosque, reencontrou sua família. Contou-lhes toda  a história, esclarecendo que provavelmente sua verdadeira mãe o havia abandonado no ninho da pata. Sua família de criação e todos os bichos reconheceram que agiram mal. E aprenderam que nem todo mundo é igual, mas que todos tem seu valor.

Com essa fábula podemos trabalhar temas como o  Respeito, Bulling na escola,  etc.

RESPEITO
É  o sentimento que leva as pessoas a dar atenção às outras, ter consideração,admiração.Significa também homenagem. vem do latirm "respectu", "ato de olhar para trás": o passado de uma pessoa engrandece o respeito que se tem, por ela. Respeitar os mais velhos é ouvir o que eles têm a dizer e compartilhar a sabedoria que eles adquiriram durante a vida. A pessoa respeitadora cuida da casa, da escola ,da cidade, da natureza. Na história há muita gente que lutou pelo respeito aos índios, aos negros, às mulheres. Quem respeita, respeita também as diferenças entre as pessoas e defendem que todos recebam tratamento por igual, independente de raça, religião e condição social.
JESUS, o filho de Deus, em uma época  em que as mulheres eram tratadas com descriminação, ele as tratava com muito respeito e amor. LER  capítulos 4 e 8 do evangelho de João.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Nossa Equipe.

Quem somos Nós!
QUADRO DE FUNCIONÁRIOS – 2011

Nome
Formação
Função
Antonio Nicacio da Silva
 Geografia
Diretor
Leonilde Sobral Dantas Fernandes
Esp. Supervisão Educacional
Vice-diretora
Maria de Fátima Martins dos Santos
Esp. Supervisão Educacional
Coord. Pedagógica
Maria Dalva Sobral Dantas Gondim
Pedagogia- A. E
Secretaria Geral
Elza Maria de Aquino Figueiredo
Pedagogia
Apoio Pedagógico
Maria de Fátima Freire Pereira de Carvalho
Esp. Supervisão
Apoio Pedagógico
Luciene Maria dos Santos Mendonça
Esp. Supervisão
Apoio Pedagógico
Antonio Carlos da Costa Junior
Esp. Supervisão Educacional
Apoio Pedagógico
Raimundo Nonato Carlos Gondim
Magistério
TV Escola
Antonio Aldemir Gondim
Letras
Lab.Inform.(readaptado)
Antonia Rocélia Gonçalves Bezerra
2º Grau
Aux. Adm. Núcleo
Antonio Aldo de Carvalho
Letras
Biblioteca (readaptado)
Josineide  Bezerra Matoso
Magistério
Aux. Secretaria
Ivan Antunes de Oliveira
Magistério
Digitador
Helena Francisca Rebouças de Medeiros
Primário
Merendeira
Francineide Fernandes da Silva
1º Grau
Servente
Antonia Geruza Cabral de Oliveira Gonçalves
Serviço Social
Aux. Secretaria
Raimunda Leal do Vale Moura
1º Grau incompleto
Servente
Bernadete Rebouças Costa
1º Grau incompleto
Servente
Rosangela Maria Gonçalves Bezerra
Magistério
Aux. Adm. Núcleo
Geraldo de Magela Oliveira
2º Grau
Multidisciplina
Antonio Aldemir Gondim
Letras
Biblioteca Comunitária
Maria Luiza da Conceição de Carvalho
2º Grau
Aux. Secretaria
Manoel Lino Bezerra
História
Mecanógrafo
Rita Rivonete Gondim Lopes
1º Grau
Servente
Mario Matoso da Silva
1º Grau
Servente
Maria Luiza de Melo
2º Grau
Multidisciplina
Rosa Maria Barbosa de Mendonça
2º Grau
Aux. Adm. Núcleo
Auriene Maria da Costa
2º Grau
Biblioteca Comunitária
Maria José da Silva
2º Grau
Aux. Secretaria
Raimundo Garcia de Medeiros
2º Grau
Digitador
Ernando Eloi de Carvalho
2º Grau
Mecanógrafo
Maria Zilene de Aquino
1º Grau incompleto
Merendeira
Clecio de Carvalho
2º Grau
Vigia
Clay Ragazzony de Aquino Costa
2º Grau
Aux. Secretaria
Isaias de Castro
2º Grau
Vigia
Marida Conceição Bezerra de Moura Paula
2º Grau
Servente


QUADRO DE PROFESSORES – 2011

Nome
Formação
Função
Disciplina
Geane Gomes Campina
Esp. Gestão Escolar
Professor
Matemátic
Regia Maria Mendonça santos Gondim
Esp. Psicologia Escolar
Professor
Geografia/ cultura
Maria Helena de Carvalho e Silva
Magistério
Professor
Artes/Ed.fís/relig
Francisco Gondim de Araujo
Letras/português
Professor
Espanhol/ portugues
Antonio Lopes Bezerra
Esp. Gestão Ambiental
Professor
Geografia/ ciênc
Marta Maria Alves da Silva Balbino
Esp. Linguagem e educ.
Professor
Inglês
Antonio Carlos da Costa Junior
Esp. Gestão Escolar
Professor
Portug/  inglês
Aretuza Eça Alves Gurgel
Letras/português
Professor
Portug/ artes/ing
Antonio Quaresma da Silva
Física
Professor
Física/ química
Francisco Diógenes Matozo da Silva
Esp. Psicologia Escolar
Professor
Matemát./ciênc.
Antonio Eudes Barbosa e Silva Junior
Esp.
Professor
História/ sociolog
Francisco Xavier Gondim
Letras
Professor
Português
Aurélio Gomes da Silva Segundo
Educação Física
Professor
Educ. Física
Simone Maria Bezerra de Farias
Esp. Psicologia Escolar
Professor
Educ. Física
Luiz Gonzaga Gondim
Esp. Gestão Ambiental
Professor
Geograf/história
Maria Disnelandia Costa de Medeiros
Esp. Gestão Escolar
Professor
Matemátic
Antonio Eriberto da Costa
Esp. Psicologia Escolar
Professor
Matemátic



  Nossos colaboradores: Estagiários 2011

Jose Jonas Freire Filho
Filosofia/sociologia
Sueleide Magna Silva
Geografia/cultura
Izaú Macedo Balbino
Biologia
Maria Virgens
Biologia
Amada Cristinny
Biologia